Sem Nível Seguro – e Sem Benefício Algum

 em Adicção, Álcool, Alcoolismo, Dependência Química, Depressão, Família, Recaída, Recuperação, Saúde Mental, Sociedade

Uma pesquisa do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME, na sigla em inglês) da Universidade de Washington (EUA), afirma que o álcool provoca cerca de 2,8 milhões de mortes anuais em todo mundo, das quais quase 100 mil no Brasil.

Publicado no prestigiado periódico médico The Lancet, o estudo, que levou em conta dados de 195 países da série de estudos Fardo Global das Doenças, também alerta que o consumo de bebidas alcoólicas e as doenças a ele relacionadas estão entre os principais fatores de risco e incapacitação evitáveis no planeta, respondendo por aproximadamente uma em cada dez mortes de pessoas com entre 15 e 49 anos e liderando as causas de morte prematura de pessoas nesta faixa etária.

Não há níveis seguros para uso do álcool, concluem os cientistas responsáveis pelo levantamento que também descartam qualquer benefício trazido por seu consumo moderado, em especial para o sistema cardiovascular, sendo largamente contrabalançado pelos seus efeitos adversos em outros aspectos da saúde, principalmente o desenvolvimento de câncer, que crescem exponencialmente com seu abuso. Apesar de provavelmente esta ser a maior meta-análise já feita para estimar os riscos relacionados a 23 problemas de saúde relacionados ao álcool, tal afirmativa nem é novidade.

Max Griswold, do IHME e líder da pesquisa afirma que, em particular, há uma forte associação entre o consumo de álcool e os riscos de câncer, ferimentos e doenças infecciosas que compensa os efeitos protetores contra doenças isquêmicas do coração nas mulheres. E embora os riscos à saúde do álcool comecem pequenos com uma dose por dia, eles crescem rapidamente à medida que as pessoas bebem mais.

De acordo com os cálculos dos cientistas, um ano consumindo diariamente apenas uma dose de álcool – isto é, 10 gramas puros da substância, o equivalente ao encontrado em uma pequena taça de vinho tinto (100 ml) com 13% de álcool por volume; uma lata de cerveja (375 ml) com 3,5% de álcool; ou uma dose de uísque ou outros destilados (30 ml) a 40% por volume – já aumenta o risco de desenvolvimento de uma das 23 doenças ou problemas relacionadas ao seu consumo – que vão de cardiovasculares a câncer, passando por infecções respiratórias, cirrose e diabetes, bem como violência interpessoal, acidentes de trânsito, afogamentos e outros ferimentos não intencionais – em pessoas com 15 a 95 anos em 0,5% se comparado a uma abstinência total no período. Já se o consumo chegar a duas doses por dia este risco sobe em 7%, enquanto no caso de cinco doses diárias ele vai para 37% maior.

A pesquisa destaca ainda que o consumo de álcool varia consideravelmente no mundo. Ao todo, em 2016, último ano da série histórica montada pelo estudo, cerca de uma em cada três pessoas, ou 2,4 bilhões em todo planeta, bebiam, numa proporção de 25% das mulheres (900 milhões) e 39% (1,5 bilhão) dos homens. Em média, elas tomavam 0,73 dose por dia, e eles consumiam 1,7 dose.

O país com maior prevalência de bebedores é a Dinamarca (95,3% das mulheres e 97,1% dos homens), enquanto o Paquistão fica no último lugar do ranking dos homens (0,86%) e Bangladesh no das mulheres (0,32%). No Brasil, a prevalência calculada para 2016 foi de 42% entre as mulheres e 71% para os homens.

Os romenos estão no topo da lista, como campeões no consumo médio diário com 8,2 doses. Os paquistaneses mais uma vez estão no fim do ranking, com apenas 0,0008 dose. As ucranianas, por sua vez, bebem em média 4,2 doses por dia, com as iranianas consumindo só 0,0003 dose. No Brasil, os homens tomam em média 3 doses de álcool por dia, e as mulheres, 1,5 dose. Assim, aqui no país o maior número de vítimas anuais de doenças relacionadas ao álcool está entre eles, com estimadas 76 mil mortes, enquanto 21 mil delas também falecem anualmente por problemas relacionados ao consumo de bebidas.

O consumo médio de bebidas por dia é de 1.9 para mulheres e 3.2 para homens, de acordo com o estudo. Isso está acima das recomendações do governo americano, mas provavelmente está distorcido por aqueles que bebem além da conta, um parte pequena entre todas as pessoas que bebem.

É claro que algumas pessoas bebem demais sem saber. O estudo publicado pela The Lancet definiu um drinque como 10 gramas de álcool puro, o que equivale a um copo de shot com 40% de teor alcoólico.

Fonte: Para Entender a Dependência Química

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

ANDRÉ G. FARINHA

TERAPEUTA CRT: 48.565

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA XXII CONGRESSO ABEEAD

5º SUPERA UNIAD / UNIFESP

WORKSHOP : AMB CFM ABP ABEEAD :
“AS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CRACK”
“HABILIDADES SOCIAIS NA MANUTENÇÃO DA ABSTINÊNCIA”

XXII CONGRESSO ABEEAD
“CONTROVÉRSIAS EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CIÊNCIA E SOCIEDADE DISCUTEM”

DENARC SÃO PAULO
“CAPACITAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS”

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE COMUNIDADES TERAPÊUTICAS
“CURSO DE DIRIGENTES DE COMUNIDADES TERAPÊUTICAS”
“CURSO DE CAPACITAÇÃO COORDENADORES, MONITORES MOD.I”
“CURSO DE CAPACITAÇÃO COORDENADORES, MONITORES MOD.II”

SIMPÓSIO MULTIDISCIPLINAR DE PSIQUIATRIA ÚNICA

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE TABACO , ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS
“MINDFULNESS : UM NOVO INSTRUMENTO NO TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS”

SEMINÁRIO DA CRUZ AZUL DO BRASIL
“CRACK , OXI , E PEDRAS NO CAMINHO E AGORA?”
CURSO DE ACONSELHAMENTO EM DEPENDENCIA QUIMICA UNIAD/UNIFESP

EDINEI BATISTA FRANCISCO
Médico Clínico Geral – (CRM/PR 032715)

DÉBORA ZANLORENZI
Nutricionista – (CRN8: 5948)

JÚLIO CESAR MIRANDA
Fisioterapeuta – (CREFITO193356)

ALEXANDRE RAMOS RIBEIRO
Terapeuta – Coordenador Supervisor Terapêutico e Aconselhamento
em Dependência Química pela Cruz Azul do Brasil
Coordenador Supervisor Terapêutico e Aconselhamento em Dependência
Química Escola Resgate Preventivo Caxias do sul RS

ALESSANDRA KAZUE DIAS WATANABE
Farmacêutica – (CRF/PR-16736)

MONIQUE RAYANE TEIXEIRA ROSETIN
Enfermeira Chefe – (COREN/PR 361.733)

LUCIMARIO FERNANDES DOS SANTOS
Enfermeiro – (COREN/PR 433.976)

REGINALDO RODRIGUES CARNEIRO
Enfermeiro – (COREN/PR 1229.392)

MARCOS ROBERTO VILESKI
Enfermeiro – (COREN/PR 620.48)

WAGNER GIONCO
Enfermeiro – (COREN/PR 126.524)

1 CHEFE DE COZINHA

4 COZINHEIRAS

2 AUXILIARES DE COZINHA

8 SEGURANÇAS

3 SEGURANÇAS SOCORRISTAS

3 AUXILIARES DE LIMPEZA

1 ADM FINANCEIRO

1 ADM RECURSOS HUMANOS

1 SUPORTE TÉC. INFORMÁTICA

2 AUXILIARES DE ESCRITÓRIO

 

HostFirewall