Uso de drogas e suicídio, um pedido de ajuda

 em Adicção, Álcool, Alcoolismo, Dependência Química, Depressão, Espiritualidade, Recuperação, Saúde, Saúde Mental, Transtornos

Hoje, a ideia do suicídio e a dependência de substâncias químicas (álcool e outras drogas – cocaína, crack, maconha, ecstasy, entre tantas) devoram as almas de muitos jovens.

Esses, porém, são temas difíceis e de pouco interesse para a grande maioria, porque sempre que acontecem achamos que são problemas dos outros, ou que os outros são mais tristes e “dramáticos” (e essa é outra questão grave, porque estamos cercados de preconceitos em nossa sociedade, e nós mesmos alimentamos muitos desses preconceitos).

A maioria das famílias, envergonhadas e aflitas, tenta esconder o que acontece com os filhos. O que temos certeza é que a doença, quanto mais escondida e oculta fica, mais se desenvolve – maior é a ferida e mais cresce. Quando se busca educação (conhecimento sobre o problema) e tratamento, vemos que há recuperação e a perspectiva de saúde mental e espiritual.

Saber a relação entre uso e abuso de substâncias psicoativas e o suicídio e identificar os sinais de risco em torno desse drama social e familiar pode abrir portas para a prevenção.

Uma notícia no mês de maio/2018 (jornal Correio de Capivari) dá conta de que, numa cidade vizinha, um jovem com menos de 20 anos, usuário de drogas, tentou o suicídio com faca e foi contido. Esse tipo de ato pode ser visto como um pedido de ajuda, para tratamento médico e psicológico (por exemplo).

Ele continuou em casa e, em crise, no final de semana seguinte ingeriu soda cáustica e, mesmo socorrido, veio a óbito.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio é a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos de idade. O que nem sempre as autoridades médicas, policiais e a família percebem é que essas mortes poderiam ser evitadas. O suicídio é o desfecho de um processo muitas vezes agravado por transtornos mentais, abuso de álcool e outras drogas. Os dados estatísticos indicam que essas influências não são apenas uma suposição, mas realmente são devastadoras.

Em seis anos e meio que mantivemos a clínica Nova Consciência, em Capivari, infelizmente vimos a morte, de forma violenta, pelo suicídio de seis ex-pacientes, tempos após deixarem o tratamento, pessoas que abortaram (abandonaram) sua recuperação pessoal.

Essas seis pessoas estavam muito comprometidas pelo uso de drogas desde a adolescência, e devido à compulsão (do físico) e à obsessão (da mente) não conseguiam pensar em viver sem a substância de sua preferência. Na crise de abstinência e no sofrimento que dela pode advir, acabaram pondo termo ao corpo físico.

Jamais devemos ser favoráveis à liberação da maconha: a mesma porta que vende essa erva vende outras drogas, o que pode ser uma escalada para o sofrimento.

Uma frase atribuída a William Shakespeare traz significativo ensinamento em relação ao enfrentamento da vida e de nossas limitações: “Aprenda que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados”.</P

Ainda de acordo com a OMS, mais de 800 mil pessoas se suicidam a cada ano, ou seja, um caso a cada 40 segundos.

A entidade divulgou pesquisa apontando que o fator que mais predispõe ao suicídio é a depressão, mas que muitos outros aumentam a propensão, como transtornos bipolares, abuso de drogas e álcool, esquizofrenia, antecedentes familiares, contextos socioeconômicos, educacionais, pobreza ou uma saúde física frágil.

Impressionados com o aumento de suicídios em jovens, pesquisadores da Universidade da Califórnia chegaram à conclusão de que mais da metade dos suicídios era resultante do aumento de consumo de drogas ilícitas e álcool.

Fonte: Para Entender a Dependência Química

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

ANDRÉ G. FARINHA

TERAPEUTA CRT: 48.565

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA XXII CONGRESSO ABEEAD

5º SUPERA UNIAD / UNIFESP

WORKSHOP : AMB CFM ABP ABEEAD :
“AS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CRACK”
“HABILIDADES SOCIAIS NA MANUTENÇÃO DA ABSTINÊNCIA”

XXII CONGRESSO ABEEAD
“CONTROVÉRSIAS EM DEPENDÊNCIA QUÍMICA: CIÊNCIA E SOCIEDADE DISCUTEM”

DENARC SÃO PAULO
“CAPACITAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS”

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE COMUNIDADES TERAPÊUTICAS
“CURSO DE DIRIGENTES DE COMUNIDADES TERAPÊUTICAS”
“CURSO DE CAPACITAÇÃO COORDENADORES, MONITORES MOD.I”
“CURSO DE CAPACITAÇÃO COORDENADORES, MONITORES MOD.II”

SIMPÓSIO MULTIDISCIPLINAR DE PSIQUIATRIA ÚNICA

SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE TABACO , ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS
“MINDFULNESS : UM NOVO INSTRUMENTO NO TRATAMENTO DAS DEPENDÊNCIAS”

SEMINÁRIO DA CRUZ AZUL DO BRASIL
“CRACK , OXI , E PEDRAS NO CAMINHO E AGORA?”
CURSO DE ACONSELHAMENTO EM DEPENDENCIA QUIMICA UNIAD/UNIFESP

EDINEI BATISTA FRANCISCO
Médico Clínico Geral – (CRM/PR 032715)

DÉBORA ZANLORENZI
Nutricionista – (CRN8: 5948)

JÚLIO CESAR MIRANDA
Fisioterapeuta – (CREFITO193356)

ALEXANDRE RAMOS RIBEIRO
Terapeuta – Coordenador Supervisor Terapêutico e Aconselhamento
em Dependência Química pela Cruz Azul do Brasil
Coordenador Supervisor Terapêutico e Aconselhamento em Dependência
Química Escola Resgate Preventivo Caxias do sul RS

ALESSANDRA KAZUE DIAS WATANABE
Farmacêutica – (CRF/PR-16736)

MONIQUE RAYANE TEIXEIRA ROSETIN
Enfermeira Chefe – (COREN/PR 361.733)

LUCIMARIO FERNANDES DOS SANTOS
Enfermeiro – (COREN/PR 433.976)

REGINALDO RODRIGUES CARNEIRO
Enfermeiro – (COREN/PR 1229.392)

MARCOS ROBERTO VILESKI
Enfermeiro – (COREN/PR 620.48)

WAGNER GIONCO
Enfermeiro – (COREN/PR 126.524)

1 CHEFE DE COZINHA

4 COZINHEIRAS

2 AUXILIARES DE COZINHA

8 SEGURANÇAS

3 SEGURANÇAS SOCORRISTAS

3 AUXILIARES DE LIMPEZA

1 ADM FINANCEIRO

1 ADM RECURSOS HUMANOS

1 SUPORTE TÉC. INFORMÁTICA

2 AUXILIARES DE ESCRITÓRIO

 

HostFirewall